sexta-feira, setembro 03, 2010

Microsoft TechEd Brasil 2010 - Minha Agenda de Palestras

Caros,

O Microsoft TechEd Brasil 2010 acontece do dia 13 até o dia 15 de setembro de 2010. Eu estarei lá e resolvi compartilhar aqui a agenda de palestras que assistirei.


Minha Programação do dia 13/09/2010

09:00 - 12:00 Sessão Geral

13:45 - 15:00 Dicas, truques do Visual Studio 2010 e novas funcionalidades do Visual Basic e C#

15:30 - 16:45 Teste de software com o Visual Studio 2010: Parte 1 de 2

17:15 - 18:30 Tudo o que você precisa saber sobre Scrum e Visual Studio ALM em 150 min - Parte 1

18:45 - 20:00 Tudo o que você precisa saber sobre Scrum e Visual Studio ALM em 150 min - Parte 2


Minha Programação do dia 14/09/2010

09:00 - 10:15 Criando Rich Internet Applications (RIA) com ASP.NET AJAX e jQuery

10:45 - 12:00 Teste de software com o Visual Studio 2010: Parte 2 de 2

13:45 - 15:00 Primeiros passos no Team Foundation Server 2010

15:30 - 16:45 Desenvolvimento heterogêneo com o Microsoft Visual Studio 2010 Team Foundation Server: traga seus desenvolvedores Java, Mac, Linux e Eclipse a bordo

17:15 - 18:30 Aumentando a produtividade através da Geração de Código no Visual Studio


Minha Programação do dia 15/09/2010

09:00 - 10:15 Silverlight 4 e Expression Blend 4: Tecnologia e Ferramenta em suas Mãos

10:45 - 12:00 Criando protótipos com o Microsoft Expression Blend + SketchFlow

13:45 - 15:00 Discutindo sobre: Linq to Sql, Entity Framework Versus Stored Procedures

15:30 - 16:45 Entendendo a Plataforma de Aplicações do Windows Phone 7

17:15 - 18:30 Explorando as ferramentas de arquitetura do Visual Studio 2010


Abraços e até lá!

quarta-feira, setembro 01, 2010

Mitos e Verdades sobre o Visual Studio 2010 ALM - Parte 1

O Visual Studio 2010 da Microsoft não é mais só uma IDE focada em desenvolvimento de código. Ele é uma plataforma completa para o que se chama no mercado de Application Lifecycle Management (ALM). O ALM é um conjunto de letras que representa uma visão para melhorar todo o processo de produção de sistemas e software. Ele trata desde a requisição feita por um cliente ou stakeolder do projeto até a implantação em produção e manutenção contínua do sistema - passando por gestão de requisitos, planejamento e controle de projetos, arquitetura de software, desenvolvimento profissional, gestão de testes, gestão automatizada de builds e implantacão de sistemas. Também ajuda a solucionar problemas referentes à governança de TI, colaboração entre membros da equipe, desenvolvimento com equipes grandes e/ou distribuídas e orquestração de processos Ágeis ou tradicionais.

Neste primeiro de uma série de artigos vou falar sobre alguns mitos e as verdades relacionadas à plataforma de ALM da Microsoft, composta pela linha de produtos Visual Studio 2010 e pelo servidor Team Foundation Server (TFS) 2010. Existem muitas inverdades acerca dessa solução, muitas vezes até por falta de conhecimento do ecossistema de plugins e pacotes desenvolvidos pela comunidade open source .NET, especialmente no Codeplex e pelos Visual Studio Rangers.

A primeira grande realidade é que, hoje, a minha visão é a de que a solução da Microsoft é a mais completa no mercado de ALM. Ela fornece recursos e funcionalidades inovadoras, não encontradas em outras soluções, que aumentam radicalmente a produtividade da cadeia de produção de sistemas. Em outros artigos falarei em mais detalhes sobre algumas delas, mas só para dar o primeiro gostinho:
- Facilidades para que o arquiteto possa executar uma validação arquitetural da aplicação durante a execução de builds diários ou da integracão contínua. Assim a ferramenta detecta automaticamente se alguém violou alguma regra arquitetural.
- Registro de evidências em vídeo dos testes manuais executados
- Criação de testes funcionais automatizados a partir da execução de testes manuais, de uma maneira muito simples e rápida
- Desenvolvimento Ágil não só para código-fonte mas também para artefatos do banco de dados
- Geração automatizada de dados mascarados para BD de desenvolvimento e homologação
- Gestão real de laboratórios de testes, homologação e produção (Lab Management) - enfatizando a gestão, implantação e criação de snapshots em máquinas virtuais para reduzir o custo de ambientes físicos
- Recursos para o tester associar facilmente a um defeito os logs para que o desenvolvedor reproduza o histórico de debug de um erro encontrado em um teste. Além disso, é possível associar a um defeito um snapshot de uma máquina virtual, para que o desenvolvedor possa ter inclusive o ambiente real onde os testes foram realizados!

Bom, os recursos acima foram apenas um preview do que virá em próximos artigos. Vamos ao objetivo desse primeiro artigo: mostrar as verdades por trás de cada mito comentado no mercado sobre o Visual Studio 2010.

Mito 1 - O Visual Studio ALM é realmente bom, pena que só funciona para plataforma .NET.
Verdade 1 - O TFS 2010, servidor do VS 2010 ALM, é o responsável por ser o repositório único onde são armazenados o controle de versões, os itens de trabalho e requisitos e os builds gerados automaticamente. Hoje a Microsoft já possui uma oferta de um plugin para o Eclipse: o Team Explorer Everywhere. Desse modo, desenvolvedores Java, JEE, Ruby, C (entre outras linguagens) podem utilizar todos os recursos do TFS a partir de sua IDE. E importante: esse plugin funciona em Eclipses instalados em um Linux e Unixes também! Mas e os builds automatizados? Não há problemas: com o Power Tools Build Extension o TFS 2010 pode executar scripts de build em Maven ou Ant.
Mas não é só isso: desenvolvedores que usam outra IDE como PowerBuilder, JDeveloper, NetBeans e etc também podem utilizar nativamente os recursos de controle de versões do TFS 2010! Como? No Codeplex é possível encontrar o SvnBridge. É um software que você instala no servidor TFS 2010. A partir desse momento, ele consegue ler requisições para o Subversion e convertê-las para um check-in/check-out no TFS 2010! Com essa ponte você pode usar qualquer tipo de cliente ou plugin Subversion para acessar o controle de versões do TFS 2010 diretamente de sua IDE preferida. Além disso, os testes automatizados e manuais podem ser executados em uma infinidade de plataformas, não só .NET. Resumindo: Os recursos de colaboração, governança, controle de versões, gestão de incidências e testes funcionam também em ambientes heterogêneos. Uma novidade para muitos que ainda entendem a solução ALM da Microsoft como viável apenas para quem usa .NET.

Mito 2 - O Visual Studio não suporta a UML 2.
Verdade 2 - O Visual Studio 2010 contempla os principais diagramas da UML 2. E não é só isso: usando o Visual Studio Visualization and Modeling Feature Pack você pode fazer engenharia reversa de seu código .NET e criar diagramas de classe e gerar código .NET a partir de seus diagramas de classe. Também permite a geração de gráficos de dependência para ASP .NET, C e C++ ! Resumindo: Hoje o Visual Studio 2010 suporta de maneira robusta a UML.

Mito 3 - O Visual Studio não é Ágil.
Verdade 3- Essa eu ouvi poucas vezes, mas confesso que fiquei impressionado pela falta de informação. Até porque hoje o Visual Studio 2010 é a ferramenta de desenvolvimento e de ALM que mais suporta a Agilidade, tanto nas práticas técnicas quanto nas de gestão. O TFS 2010 possui, além do MSF Agile, um template de Scrum desenvolvido em conjunto com o próprio Ken Schwaber (um dos criadores do Scrum). Além disso, possui recursos para testes de unidade que nenhuma IDE ainda possui. O VS 2010 detecta quais testes de unidade devem ser reexecutados após mudanças de código realizadas pelo desenvolvedor. Desse modo você pode executar só aquele subconjunto de testes de unidade que fazem sentido, diminuindo o tempo de execução de testes de unidade antes de cada check-in.
Outro recurso sensacional é o suporte a desenvolvimento de banco de dados de forma Ágil. O VS 2010 possui recursos para refactoring de bancos de dados, criação de testes de unidade para artefatos de BD, geração de massas de dados de testes no BD, gestão de mudanças e controle de versões do BD e automação do processo de upgrade de um BD em produção a partir das mudanças realizadas em desenvolvimento. Mas isso só deve funcionar com o SQL Server da Microsoft, alguns podem dizer. A grande notícia é que você pode usar grande parte desses recursos também com Oracle, através da ferramenta de parceiro TOAD Extension for Visual Studio (recomendo entrar no site e assistir ao impressionante vídeo!). Resumindo: Além de suportar todas as cerimônias Ágeis e de Scrum, o Visual Studio 2010 ainda suporta todas as práticas técnicas necessárias para se chegar na hiperprodutividade Ágil.

Bom, por hoje é só! Na parte 2 falarei de mais alguns mitos. Também tratarei aos poucos de cada um dos recursos e funcionalidades inovadoras da nova plataforma de desenvolvimento de aplicações e ALM da Microsoft.

Se tiver alguma dúvida ou já ouviu falar de algum mito referente ao Visual Studio pode mandar para mim. Quem sabe ela não entra na minha lista de mitos e verdades da próxima parte dessa série de artigos!


Veja as Estatísticas