sexta-feira, julho 17, 2009

Tom DeMarco: "Como eu estava errado sobre métricas e controle"

Na revista IEEE Software de julho/agosto de 2009, Tom DeMarco escreveu um artigo excelente de título Software Engineering: An Idea Whose Time Has Come and Gone? . Tom DeMarco ainda é um metodologista e consultor importante, mas era ainda mais famoso antigamente por ter sido um dos pais da metodologia estruturada.


No artigo ele diz que hoje discorda do que escreveu em um de seus livros muito usados na época de título "Controlling Software Projects: Management,Measurement, and Estimation". Não posso deixar de recomendar a leitura do pequeno texto, mas vão aí algumas frases excelentes (traduzi para o português) :

" 'Você não pode controlar o que não pode medir'. Implícita nessa minha frase está a idéia de que controle seja talvez o mais importante aspecto de um projeto de software. Mas não é. Muitos projetos foram realizados quase sem controle e produziram produtos maravilhosos, como o Google Earth ou o Wikipedia."

"Controle estrito é algo que importa muito para projetos inúteis e importa pouco para projetos úteis. Isso significa que quanto mais você foca em controle, maior a probabilidade de seu projeto estar entregando algo de valor baixo."

"Então, como você gerencia um projeto que não pode controlar? Bem, você gerencia as pessoas e controla o tempo e o dinheiro. Estou sugerindo um approach de gestão muito próximo de métodos ágeis. No mínimo deve ter um aspecto incremental."

"Nos últimos 40 anos nós nos torturamos com a nossa inabilidade de terminar um projeto no prazo e no orçamento. Mas essa nunca deveria ter sido a meta suprema. A meta mais importante é a transformação, criar softwares que mudam o mundo ou transformam a maneira como uma companhia realiza seu negócio. Desenvolvimento de software é e sempre será de alguma maneira experimental. "

terça-feira, julho 14, 2009

O Fim do Taxímetro: Como transformar o obsoleto modelo de negócio baseado na taxa horária

Recomendo fortemente a leitura do artigo O Fim do Taxímetro do professor e ex-CEO da Ernst & Young Júlio Sergio Cardozo. Ele saiu na revista HSM Management de maio/junho de 2009.

O resumo do artigo, para interessar a todos da nossa área de Tecnologia da Informação e desenvolvimento de software: "Empresas de serviços profissionais, como firmas de consultoria e escritórios de advocacia, têm um imenso desafio pela frente, segundo Julio Sergio Cardozo, da UERJ e também consultor: transformar seu obsoleto modelo de negócio baseado na taxa horária."

Mais alguns insights muito bons:

"Profissionais altamente capacitados não foram treinados para ser máquinas de vender horas. Ainda há tempo para reagir e resgatar o prestígio e a nobreza profissional. Se quiser ser eficiente, venda horas; se quiser ser eficaz, cobre mais, ou melhor, por seu talento. Faça sua escolha."

"Observa-se que os gestores à frente das empresas que adotam a venda de horas como modelo de negócio vivem obcecados por obter a máxima utilização do contingente de profissionais, esquecendo-se do que é fundamental: empresas de serviços profissionais, como um negócio, um empreendimento, não existem para ser eficientes; elas existem para criar e perpetuar riqueza para seus sócios, oportunidades para os colaboradores e conhecimento valioso para os clientes."

"Por todas as razões elencadas até aqui, está mais do que na hora de as empresas de serviços profissionais aposentarem o timesheet e olharem em outra direção. Parece ser pacífico que seus clientes não estão comprando horas quando as contratam. Na verdade, compram resultados, expectativas, sentimentos prazerosos, esperança, sonhos, visão desejada do futuro e soluções para seus problemas que não necessariamente têm relação com o tempo despendido. Se, quando adquire um refrigerador, o consumidor não está preocupado com o tempo que a fábrica levou para produzi-lo, e sim com os benefícios proporcionados, a analogia também se aplica às firmas
de advogados e consultores."


Reforçando mais uma vez: leiam o artigo O Fim do Taxímetro. Mas aproveitem e repassem para seus colegas, gerentes, diretores e clientes. Vamos melhorar nosso mercado, adotando um modelo de negócio mais coerente com a alta capacitação intelectual que a Tecnologia da Informação exige.

sexta-feira, julho 03, 2009

Encontro Agile / Mingle Day - Resultados

O evento “Encontro Agile / Mingle Day”, onde palestrei com o Rodrigo Yoshima e em parceria com a ThoughtWorks, foi um sucesso. Tivemos cerca de 80 pessoas participando em mais esse evento gratuito.

Eu e o Rodrigo Yoshima, devido a alguns fatos recentes ocorridos no Scrum Gathering, discutimos muito sobre “back to basics” na nossa comunidade Agile. Meu objetivo era abrir a mente das pessoas para os princípios de liderança e gestão pós-tayloristas, tendo como foco mostrar evidências dos benefícios de se trabalhar com organizações descentralizadas e do uso de equipes multifuncionais auto-gerenciadas em empresas (não só de TI, mas outras como Toyota, Semco, bancos, etc). Também falei de novos paradigmas de estudo sendo realizados pela ciência da administração.

Seguem os slides. Minha apresentação vai do slide 10 até o 17. Recomendo fortemente a leitura e consulta dos livros que indiquei na bibliografia, no slide 17.


Algumas fotos:







Veja as Estatísticas