segunda-feira, janeiro 19, 2009

O que impede uma organização de mudar do desenvolvimento tradicional para a agilidade e o pensamento lean?

Acabei de finalizar a leitura do livro recém lançado The Art of Lean Software Development: A Practical and Incremental Approach de Curt Hibbs, Steve Jewett e Mike Sullivan.

No capítulo 2 os autores fazem a grande pergunta: se está claro (através de diversas pesquisas e casos reais) que o desenvolvimento tradicional e cascata frequentemente falha e que o desenvolvimento ágil e lean ( enxuto ) aumenta as chances de sucesso, o que impede as pessoas e organizações de fazer a troca?

Há muitas razões, mas os autores acreditam que duas são as principais: Medo e Confusão. Se manter no mesmo padrão de desenvolvimento pode parecer um caminho mais seguro (o antigo ditado "ninguém jamais foi demitido por comprar da IBM" pode ser adaptado para esse caso). Lutar pela implantação de um processo ágil e enxuto pode dar a sensação de ir atrás do novo e expor a carreira a um risco.

As pessoas podem se imaginar convencendo o chefe a adotar práticas ágeis e lean, vendendo a promessa de alta produtividade e maior qualidade. Agora é o pescoço dessa pessoa que está na corda para provar que isso pode acontecer. Há tantas novas práticas para entender e implementar (algumas que requerem treinamento técnico específico como o TDD, por exemplo). Além disso, a gerência ainda pode acabar inconscientemente (ou até conscientemente) sabotando o projeto ao periodicamente "pegar emprestados" recursos para outras tarefas ou amentando o escopo do projeto sem eliminar outras funcionalidades. E pior, a pessoa pode ainda não ter experiência suficiente para reconhecer os impactos que essas e outras ações terão nas promessas feitas.

No final, a pessoa possui medo de ser declarada a culpada de entregar o projeto fora do prazo e com orçamento estourado. E tudo porque ela insistiu em usar essa "nova onda de processos ágeis"!

Esse é o tipo de medo que acaba segurando muitas pessoas. É o mesmo medo que encontra-se em empresas que preferem não inovar para não canibalizar seus produtos existentes. É o medo clássico que dificulta qualquer tipo de mudança organizacional em empresas de qualquer porte. E é o medo que acaba levando muitas empresas a desaparecer por falta de inovação e criatividade.

Some a isso a confusão que uma pessoa tem quando entra no campo de conhecimento do desenvolvimento ágil e enxuto ao se deparar com centenas de livros, artigos, ofertas e soluções.

Concluindo, o medo e a confusão juntas se tornam a receita perfeita para a paralisia! Mostrar os benefícios já comprovados de se adotar metodologias ágeis e conseguir o comprometimento de toda a organização para a adoção é um passo essencial para eliminar o medo. Os livros sobre mudança organizacional de John Kotter podem ajudar nessa tarefa hercúlea. A confusão pode ser mitigada utilizando-se livros, treinamentos e consultoria especializada em processos ágeis e enxutos. Estes instrumentos podem acelerar uma adoção com menos percalços.

Em próximos artigos pretendo comentar sobre as diferenças conceituais dos termos Lean e Agile. Também pretendo tratar de um assunto pouco comentado nos círculos ágeis e que considero fundamental: a agilidade e o pensamento enxuto como instrumentos para alcanlçar resultados relacionados à estratégia competitiva de uma organização que desenvolve software como atividade meio ou atividade fim .

3 Comentários:

At 12:16 AM, Anonymous Diego Carrion disse...

Legais os argumentos, os quais tambem podem se aplicar ao uso nao somente de metodologias novas, mas tambem tecnologias novas.

 
At 11:11 PM, Blogger Rafel Viana disse...

Gostei muito do post. Um dos problemas é que as pessoas acham que irão ficar protegidas atrás das antigas metodologias, escondidendo suas dificuldades de todos e jogando a culpa em qualquer coisa que lhes parecer mais conveniente. Um dos baratos das metodologias ágeis é que elas mostram realmente como cada pessoa da equipe realmente é.

 
At 11:05 AM, Anonymous Aurélio Luiz disse...

Excelente post! Acredito que este medo está em qualquer mudança, pois o novo gera uma incerteza e a maioria prefere a certeza. Porém, com o método ágil há várias formas de se provar resultados, a questão é ter embasamento teórico e coragem! Parabéns!

 

Postar um comentário

Links para este artigo:

Criar um link

<< Home


Veja as Estatísticas